Início >> Empresa >> Gaia Brasil é membro associada à Rede de Economia Criativa Brasil

Gaia Brasil é membro associada à Rede de Economia Criativa Brasil

Entendemos que a atuação em rede pode potencializar e gerar negócios para todas as conexões dentro dela.

O trabalho em rede fortalece todas as empresas ou profissionais que estiverem nela e saibam utilizar os recursos que ela disponibiliza para alavancar atividades próprias e colaborativas respeitando as suas regras e a legislação a que ela estiver sujeita (caso ela exista).

Desde 2000 quando a Gaia Brasil ainda nem existia a sua gestora – Rose Meusburger – já participava de coletivos em rede dentro do segmento cultural. Participou de 2000 a 2006 da Comissão Gestora da Rede de Agentes Culturais do Estado de São Paulo. Este programa foi fomentado pelo Sebrae-SP e foi dentro dessa rede que Rose percebeu demandas e decidiu pela formalização de sua empresa para prestar serviços para os artistas e coletivos que estavam na rede.

Desde lá muita coisa aconteceu. A Gaia Brasil se consolidou como uma empresa da Gestão Cultural e de Empreendimentos Criativos colocando todo o conhecimento de sua diretora à disposição do mercado através de cursos presenciais, assessorias para primeiro, segundo e terceiro setores.

Em sala de aula muitos projetos nasceram e muitos profissionais se fortaleceram. Muitos elaboram com sucesso seus próprios projetos, estabeleceram suas empresas ou produtoras, construíram serviços e multiplicaram os conhecimentos.

Hoje, ainda acreditando que é o trabalho coletivo e fortalecido dentro de uma rede, a Gaia Brasil está cada vez mais envolvida com os trabalhos da Rede de Economia Criativa Brasil.

Em novembro, Rose Meusburger ministra palestra dentro do evento BOULEVARTE em Belém do Pará compartilhando esse conhecimento de mais de 20 anos de relacionamento em rede e como resultado dos trabalhos realizados pela REC-Brasil.(conheça mais)

boulevarte

Sobre Rose Meusburger

Veja também

Governo abandona prédio histórico – Belém (PA)

Telhados tomados por buracos e plantas, paredes infiltradas, piso encharcado pela água empoçada e documentos históricos sendo destruídos pela ação do tempo. Esse é o quadro atual do prédio onde funcionou o Instituto Estadual de Educação do Pará (IEEP), edificação centenária encravada no centro de Belém e que hoje pena com o abandono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *