Início >> Divulgações >> Ainda Dá Tempo – I FLICH – Feira Na Chapada Diamantina

Ainda Dá Tempo – I FLICH – Feira Na Chapada Diamantina

Entre os dias 3 e 7 de setembro, a primeira edição da FLICH transforma as cidades de Lençóis e Seabra em palco de escritores e artistas.

Acadêmicos baianos estão organizando a nova promessa em festivais de literatura no Brasil: a FLICH (Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina), que acontecerá entre os dias 3 e 7 de setembro nas cidades de Seabra e Lençóis-BA. O evento atualiza o calendário turístico da Bahia e coloca a região no mapa das iniciativas culturais de grande projeção no país. Ao todo, 50 convidados – que farão palestras, shows, stands, conferências, performances e oficinas – estão confirmados para o evento, segundo a organização, que espera reunir um público de oito mil pessoas.

FLICHHomenagens serão prestadas ao compositor baiano Dorival Caymmi, com apresentações do seu filho, Danilo Caymmi, e ao cineasta Orlando Senna, nascido em Lençóis, que estará presente e participará de debates sobre cinema. O escritor e poeta Sérgio Vaz, de Minas Gerais, também fará parte das atrações, entre outros.

A abertura da FLICH acontecerá em Seabra, no auditório da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), a principal realizadora da Festa, na quarta-feira (03/09), às 19h30. No dia 04/09 teremos minicursos e oficinas na UNEB em Seabra. Outras atrações terão palco em Lençóis – no Mercado Cultural, onde haverá stands de editoras e de escritores da região; na Casa Afrânio Peixoto; no Teatro de Arena; no coreto; no novo Centro Cultural do município; e outros auditórios.

“Lençóis, berço de dois membros da Academia Brasileira de Letras e vários outros escritores, é uma cidade que fez grandes contribuições para a literatura e sempre atraiu muitos intelectuais”, lembra a secretária municipal de Turismo e Cultura, Michelle Nonato. Ela se refere a figuras como Afrânio Peixoto e Urbano Duarte, intelectuais lençoenses que ocuparam, respectivamente, as cadeiras de número 7 e 12 da ABL. “A Chapada Diamantina tem muitos expoentes na literatura. A região carecia de um evento literário desse porte”, reitera a coordenadora do colegiado de Letras da UNEB/Seabra e principal organizadora da FLICH, Cristiane Andrade.

A FLICH – Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina, em sua primeira edição, nasce com a proposta de se tornar um evento anual de ações integradoras nas áreas de literatura, educação e cultura, unindo pensares e saberes enquanto forças produtoras de transformações socioculturais para a comunidade local e para os visitantes.

Realizada pela UNEB (Universidade do Estado da Bahia) em parceria com a Associação EcoViva e a Prefeitura Municipal de Lençóis, a FLICH tem como objetivo principal estimular práticas de leitura na região da Chapada Diamantina, apresentando produções literárias regionais e nacionais através de diversificada programação cultural para todas as idades, com mesas-redondas, palestras, rodas de diálogos com escritores, saraus, cafés literários, cine debates, shows artísticos e manifestações culturais.

Em sua primeira edição, a Festa Literária homenageia Orlando Senna, ilustre filho de Lençóis, cineasta, escritor e militante da produção audiovisual no país e fora dele, o centenário do cantor e compositor Dorival Caymmi e o consagrado escritor baiano João Ubaldo Ribeiro.

A FLICH será ponto de encontro da comunidade em geral com o universo da literatura e das artes, envolvendo atividades culturais contínuas nas praças, centros culturais, coretos, hotéis, restaurantes e locais públicos.

Texto: Bruno Cirillo

Flora Comunicação/Lençóis-BA e organizadores do evento.

Serviço:

O que: 1ª Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina (FLICH)

Onde: Nas cidades de Lençóis e Seabra/BA

Quando: Entre os dias 3 a 7 de setembro de 2014

Entrada: Franca

Informações: http://www.flich.uneb.br/

Sobre Rose Meusburger

Veja também

Governo abandona prédio histórico – Belém (PA)

Telhados tomados por buracos e plantas, paredes infiltradas, piso encharcado pela água empoçada e documentos históricos sendo destruídos pela ação do tempo. Esse é o quadro atual do prédio onde funcionou o Instituto Estadual de Educação do Pará (IEEP), edificação centenária encravada no centro de Belém e que hoje pena com o abandono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *